Ex-presidente do Corecon-RS conquista 2º Lugar no Prêmio SOF, da ESAF



O ex-presidente do Corecon-RS, economista gaúcho Fernando Ferrari Filho, e o economista Fábio Henrique Bittes Terra foram premiados, com o artigo “Índice de Fragilidade Financeira do Setor Público: uma análise para o governo federal brasileiro no período 2000-2016”, em 2º Lugar no X Prêmio da Secretaria de Orçamento Federal da Escola de Administração Fazendária (ESAF), do Ministério da Fazenda.

O artigo analisa a postura fiscal do governo federal entre 2000 e 2016, baseado em uma adaptação do Índice de Fragilidade Financeira, desenvolvida por Hyman Minsky, para o setor público. Os resultados empíricos mostram que a postura "financeira" do setor público federal foi especulativa entre 2000 e 2013 e Ponzi entre 2014 e 2016. Ademais, o Índice de Fragilidade Financeira do Setor Público permite mostrar que a situação fiscal do Brasil deteriorou-se, ao longo do período, independentemente da política fiscal ter sido conduzida de forma pró ou contra-cíclica.

O 1º Lugar foi destinado ao trabalho "Dinâmica de Médio Prazo das Despesas Federais em Saúde e Educação: uma análise à luz das regras fiscais vigentes”, de autoria de Carlos Renato de Melo Castro, Artur Henrique da Silva Santos, Camila Ferraz Peixoto Cavalcante, João Bosco Amaral Júnior, Jorge Luis Teixeira Ávila e Rodrigo de Castro Luz.

Acesse vencedores em http://www.esaf.fazenda.gov.br/assuntos/pesquisas-e-premios/premio-sof/x-premio-sof/x-premio-sof-de-monografias

"A ética é o grande desafio da atualidade", afirma economista

 

valtuir

O auditor público externo do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RS), economista Valtuir Pereira Nunes, proferiu palestra aos alunos do curso de Ciências Econômicas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), na última terça-feira, dia 5. Falou sobre “Dimensão ética e social da carreira”, aos estudantes do Campus da Unisinos Boa Vista. 

Valtuir Nunes, que também é assessor da Presidência do TCE/RS, iniciou sua apresentação fazendo uma conexão da área da economia com a ética e a política, e com a sociedade. Apresentou uma analogia do estado como um grande condomínio, onde todos os seus integrantes têm as mesmas responsabilidades, direitos e obrigações. Abordou temas, como repartição dos tributos, justiça fiscal, política, corrupção, transparência e o papel do estado para promover o desenvolvimento social e econômico.

O economista lembrou que o país está passando por um momento de transição de democracia e de política pelo qual jamais havia experimentado antes. “A sociedade está muito mais informada do que há anos atrás. É que a tecnologia e a transparência trazem à tona o que, por muito tempo, pouco sabíamos”, completou. Ressaltou a importância de se colocar na 

valtuir1política pessoas que tenham comprometimento com a sociedade e conclamou os partidos políticos a fazerem uma autocrítica sobre o tipo de candidatos que estão oferecendo à sociedade. "O povo não é tão livre para eleger. Ele escolhe dentre os nomes que os partidos nos oferecem", enfatizou. Para o economista, quanto melhor a nominata a ser apresentada, maior a probabilidade de que tenha ganhos substanciais na qualidade da política. “E isso passa, necessariamente, pelos partidos”. Ressaltou que os brasileiros vivem um aprendizado democrático, “de sofrimento, mas necessário para conseguirmos visualizar de forma mais clara o tipo de estado e de governo que queremos ter. E isso só vai melhorar na medida em que o controle social acontecer de forma efetiva”, acrescentou, lembrando que “Não existe democracia sem política”.

O auditor do TCE falou, ainda, sobre o papel do economista no mercado de trabalho, seja em empresas privadas ou no setor público, e na sociedade como um todo, e disse que os estudantes, “futuros economistas, devem começar a conhecer o papel de cada um na incansável busca de alternativas para o nosso país”.

Também estiveram presentes ao evento o presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo, o conselheiro Aristóteles Galvão e a coordenadora do Curso, economista Gisele Spricigo.

 

Atenção, Economistas: Corsan faz chamamento de profissionais


A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) está lançando Edital de Chamamento Público para designação de três profissionais para desempenharem função de membro do Comitê de Auditoria Estatutário, órgão estatutário de caráter permanente a ser instituído na empresa, com o propósito de prestar assessoramento a seu Conselho de Administração no tocante às funções de auditoria, supervisão e fiscalização.


Todas as informações encontram-se publicadas no Edital

Economista Valtuir Nunes fala aos estudantes da Unisinos

O Auditor Público Externo do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RS), economista Valtuir Nunes, fará palestra aos alunos do curso de Ciências Econômicas, Ciências Contábeis e Gestão Financeira, da Unisinos, nesta terça-feira, dia 5. Falará sobre “Dimensão ética e social da carreira”, às 11h30min, na sala Tedu 304, do câmpus da Unisinus Boa Vista (Av. Nilo Peçanha, 1600). Na oportunidade, o presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo, falará sobre o mercado de trabalho para economistas.

UFRGS recebe Corecon Acadêmico nesta segunda-feira

O Corecon-RS, em parceria com a consultoria econômica Equilíbrio, da UFRGS, promove, na próxima segunda-feira, dia 4, mais uma edição do Corecon Acadêmico. O evento será realizado às 18 horas, no Auditório da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (Av. João Pessoa, 52, 3º andar) e contará com palestras do conselheiro do Corecon-RS e co-fundador do Trust&CO, economista Marcos Silla Maisonnave, e do sócio e gestor da Ceanne, Fernando Henrique Pisa.  Abordarão o tema "Empreender como economista, é possível?"

Maiores informações pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pelo fone 51-32542600.

FCE/UFRGS abre inscrições para Especialização em Relações de Trabalho

A Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS promove o Curso de Especialização em Relações de Trabalho. O período de inscrição é de 15/06/2018 a 29/06/2018. Sob a coordenação do professor Cássio da Silva Calvete, o Curso, com 360 horas, inicia em 10/08/2018, com aulas às sextas-feiras à tarde e à noite, e aos sábados pela manhã.

Maiores informações em http://www.dmtemdebate.com.br/15062018-a-29062018-especializacao-em-relacoes-de-trabalho-ufrgs/

 



PUCRS sedia 9º Encontro de Economia Gaúcha


abertura3Foi aberto, nesta quinta-feira, dia 23, na PUCRS, o 9º Encontro de Economia Gaúcha, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da PUCRS (PPGE/PUCRS), em parceria com a Fundação de Economia e Estatística (FEE). O evento, que tem o apoio do Corecon-RS, acontece no auditório do 9º andar do Prédio 50, localizado nas dependências da Escola de Negócios da PUCRS. O Encontro foi aberto, durante a manhã, pelo professor Augusto Mussi Alvim, do PPGE/PUCRS, que coordenou a mesa de abertura e apresentou um resgate histórico das edições anteriores, dizendo que o Encontro se tornou hoje uma referência da economia do RS, com a participação massiça de trabalhos dos centros de pós-graduação das universidades gaúchas. “O Encontro se nacionalizou”, disse, referindo-se às dezenas de trabalhos de fora do estado que foram submetidas à análise da organização.

O presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo, que integrou a mesa de abertura dos trabalhos, parabenizou a PUCRS e a FEE por mais esta iniciativa e disse que o Conselho vem desenvolvendo uma série de ações junto aos cursos de Ciências Econômicas de todo o estado. Citou como exemplo a parceria com a Escola de Negócios da PUCRS. Sobre os últimos acontecimentos, que vêm se encaminhando para a extinção da FEE e de outros órgãos de pesquisa no estado, disse que o Corecon-RS tem se manifestado de forma clara sobre o assunto e que tem convicção de que “qualquer medida que vise reduzir custos deve ter base em estudo que verifique a viabilidade econômica, financeira e técnica e que se tratando de Governo isso deveria ser divulgado”.

octavioO professor da UFRGS e pesquisador aposentado da FEE, economista Octávio Augusto Conceição, proferiu a palestra de abertura com o tema “A FEE e a economia gaúcha: dos 25 anos às três décadas”.

O Encontro, que se estenderá até sexta-feira, dia 24, prosseguiu na parte da tarde com painéis sobre diversos tema da economia, conforme programação, que pode ser acessado em http://www.pucrs.br/eventos/inst/eeg2018/

Estudantes de Economia da Fadergs recebem Corecon Acadêmico

 

O Corecon-RS e o Curso de Ciências Econômicas da Faculdade de Desenvolvimento do RS (Fadergs) pomoveram, no dia 23 de maio último, na sede da Faculdade, no Centro Histórico de Porto Alegre, mais uma edição do Corecon Acadêmico, que abordou o tema “Quais são as perspectivas de atuação profissional para o formando em Economia?”. Participaram os economistas Bernardo Baggio (Gerente de Investimentos na Fundação CEEE de Seguridade Social), Mário Lima (Economista na Secretaria Municipal da Fazenda de Porto Alegre) e Lucas Schifino (Assessor Econômico da Fecomércio e conselheiro do Corecon-RS). Também participaram os profissionais egressos da Faculdade Bruno Ibanez Vedooto, Michely Francy Tudisco, Raquel Rodrigues Pereira e Marco Antônio Simas Araújo.

A coordenadora do Curso, economista Cláudia Katherine Rodrigues, abriu o encontro, explicando que esta edição do Corecon Acadêmico está inserida na 5ª Feira de Empregabilidade e Empreendedorismo promovida pela Fadergs, que tem como objetivo a ampliação de oportunidades para estudantes do Curso, com foco na inserção do mercado de trabalho. “O mercado transforma-se a cada momento, em função da velocidade com que as novidades se apresentam. E nós temos que estar preparados para essa nova realidade”, afirmou.

O economista da Fecomércio e conselheiro do Corecon-RS, Lucas Schifino, falou sobre as experiências adquiridas no mercado de trabalho e disse que, desde estudante da UFRGS vê no estudo da Economia “como um grande ferramental, multidisciplinar, onde se estuda matemática, modelar, administração, contabilidade, fazendo do economista um profissional mais preparado para enfrentar o mercado de trabalho.

Mário Lima, da Secretaria Municipal da Fazenda, falou sobre seu histórico profissional. Explicou que assim que concluiu o Curso, optou por entrar no mestrado com o intuito de acumular conhecimentos teóricos e que, agora, está cursando o doutorado. “Quando vocês forem procurados como economista, nunca será para resolver problema fácil”, afirmou, ressaltando que o economista é o profissional mais preparado para o mercado de trabalho.

brunoO economista Bruno Vedooto iniciou a apresentação dos egressos da Fadergs. Falou dos tempos de faculdade, na Escola de Negócios, e disse que é empreendedor e proprietário de uma startup, que é o que o satisfaz e o realiza profissionalmente. “Tem que estar atento, se atualizando. É muito gratificante estudar economia, que te abre muitas portas”, completou.

Marco Araújo, gerente na Caixa Econômica Federal, disse que como sempre gostou da área de investimentos, optou por concurso público. “Tudo foi proporcionado pela economia, com sua capacidade de formação e de transmitir o conhecimento teórico”, disse.

Raquel Pereira afirmou que o estudo de economia “proporciona ferramentais indispensáveis para um leque muito grande de atividades, seja na área de investimentos, de gerência, docência, entre tantas outras”.

A egressa Michelly Tudisco falou da importância dos conhecimentos adquiridos ao longo dos estudos de economia e que ainda como estudante foi contratada para trabalhar em instituição financeira de empréstimos, onde atua até os dias de hoje, agora como gerente. Alertou, ainda, para a importância do excel e outras ferramentas mais atuais no desempenho de sua atividade.

auditorio2Participaram do encontro na Fadergs os conselheiros do Corecon-RS Aristóteles Galvão e Marivia de Aguiar Nunes, que também é docente na Fadergs, além do ex-conselheiro Vladimir da Costa Alves.

"Há uma grande janela de oportunidades aberta pelo mercado internacional", diz Antônio da Luz

A Associação dos Economistas da Serra Gaúcha (Ecoserra) e o Curso de Ciências Econômicas da Universidade de Caxias do Sul (UCS) promoveram, na noite do dia 21, palestra do Economista-Chefe do Sistema Farsul e ex-conselheiro do Corecon-RS, Antônio da Luz. Para um auditório lotado, composto por professores e estudantes de Economia, Ciências Contábeis, Administração e Direito, abordou o tema “O agronegócio na economia e na sua carreira”.

O encontro foi aberto pela coordenadora do Curso de Ciências Econômicas da UCS, economista Jaqueline Maria Corá, que ressaltou a importância do agronegócio na economia do Brasil e do Rio Grande do Sul e destacou a necessidade de os Cursos de Ciências Econômicas proporcionarem mais espaço para esse tema, “que é o maior responsável pelo PIB do nosso estado e com grande importância no PIB da região serrana”.

O presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo parabenizou a mobilização dos estudantes e dos professores que, “nesta noite fria se fazem presentes, numa demonstração clara de que souberam dimensionar a importância do agronegócio para a sua futura profissão”. Agradeceu a Universidade e colocou o Corecon-RS à disposição dos estudantes do Curso de Ciências Econômicas.

O presidente da Associação dos Economistas da Serra Gaúcha (Ecoserra), Tarciano Mello Cardoso, que é egresso da UCS, disse que é sempre muito bom presenciar um público em grande número, quando o tema é de “grande interesse do nosso estado, da nossa região e, antes de tudo, fundamental para o futuro da nossa profissão”.

antonio3Antônio da Luz iniciou sua apresentação falando sobre a importância econômica da região serrana nas economias do Rio Grande do Sul e do Brasil e destacou a expressão de outros setores, como a riqueza produtiva dos hortifrutigranjeiros da região e alertou para a necessidade imediata de o economista saber ocupar seu real espaço na pujança do agronegócio. Explicou a estrutura do PIB do Rio Grande do Sul e o porquê de sua influência na economia regional, apresentando uma análise histórica comparativa do comportamento do Valor Adicionado Bruto total e do agropecuário no estado e a sua correlação com o PIB dos municípios gaúchos. “A grande maioria dos municípios gaúchos tem uma correlação muito forte com o PIB agropecuário”, disse. Lembrou que o PIB do agronegócio no RS foi de R$ 153,1 bilhão em 2017, o equivalente a 49,95% do PIB total, e que a tendência é de crescimento cada vez maior das exportações brasileiras de arroz, milho, soja, trigo, carne bovina e leite. Alertou, no entanto, que esse crescimento tem que vir acompanhado de uma adequada infra-estrutura, que passa obrigatoriamente por melhoria de estradas, hidrovias, portos e aeroportos. Ressaltou que, comparado aos maiores produtores mundiais, e mesmo aos EUA ou China, o setor agropecuário brasileiro destaca-se em produtividade. “O problema é que, cada vez que essa demanda cresce, os preços aumentam e os custos de produção, que já são os maiores do mundo, também crescem, levando o país a uma perda de competitividade no mercado internacional”.

auditrio

O economista finalizou sua apresentação, falando sobre os grandes desafios da produção e a necessidade da maximização do lucro, que deverá se dar através de uma redução drástica dos custos de produção e de escoamento, que passam por um modelo de transporte baseado principalmente em hidrovias complementadas com ferrovias e rodovias. “Quanto mais agricultura, mais indústria e serviços”, afirmou, lembrando que há uma grande janela de oportunidades aberta pelo mercado internacional “e que nós, economistas, devemos aproveitar”.

Também estiveram presentes ao evento o ex-conselheiro do Corecon-RS, economista Vladimir da Costa Alves e o delegado regional do Corecon-RS em Caxias do Sul, economista Milton Biazus.

Acesse o vídeo em https://youtu.be/-pwiZD5L-Hg

Pagina 7 de 43