“O setor tem exposição diária ao risco e à concorrência”, diz Antonio da Luz

““Perspectivas para a economia e o agronegócio brasileiro" foi o tema da primeira edição do ano do Economia em Pauta, que aconteceu na noite do dia 2 de abril, no Auditório da Faculdade de Desenvolvimento do RS (Fadergs), no Centro Histórico de Porto Alegre. Numa promoção do Corecon-RS, com o apoio da Fadergs. O participaram o Economista-Chefe do Sistema Farsul e Economista do Ano em 2017, Antonio da Luz, e o jornalista do Correio do Povo e um dos premiados com as melhores reportagens de economia em 2017, jornalista Danton Júnior.

O encontro foi aberto pela coordenadora do Curso de Ciências Econômicas da Fadergs, professora e economista Cláudia Katherine Rodrigues, que agradeceu a parceria do Conselho e a presença dos palestrantes. Informou que se trata de uma grande oportunidade de entender melhor a forma como o agronegócio gaúcho e brasileiro estão inseridos no processo econômico internacional.

antonio2O economista Antonio da Luz iniciou sua apresentação com um gráfico da evolução da produção de grãos no Brasil nos últimos 18 anos. Apresentou uma análise comparativa sobre a estrutura da produção e comercialização dos principais grãos, como milho, soja e trigo, e das carnes bovina, suína e de frango produzidas no país. Levou em conta a variação média de indicadores como rendimento, PIB per capita, consumo das famílias e população com o consumo doméstico de cada grão, assim como essa relação com os maiores compradores desses produtos no mercado mundial e lembrou que os dados de consumo e variáveis macroeconômicas foram relacionados a partir de relações logarítimicas do tipo log-log. “Se a economia vai bem, o consumo aumenta; se a economia vai mal, o consumo diminui”, afirmou, mostrando gráficos sobre o desempenho da economia brasileira nos últimos trimestre, com foco no PIB, rendimento médio real dos assalariados, consumo das famílias, crescimento populacional, saldo entre admissões e demissões, e, ainda, sobre a economia brasileira no contexto mundial. Lembrou que, desde abril de 2014, o Brasil experimentou uma queda de 13% do rendimento médio e que o consumo interno irá aumentar no momento em que houver crescimento da demanda interna. “O rendimento médio é um fenômeno que tem enorme relação com todos os produtos agrícolas que compõem a nossa produção”, explicou, lembrando que, quando a oferta é maior que o crescimento da demanda, o caminho natural passa a ser a exportação. “De qualquer forma, o agronegócio acaba trazendo um pouco do crescimento econômico mundial para dentro da nossa economia”, avaliou.
         

antonio1

Falou, ainda, de outros indicadores que impactam sobre o consumo, como rendimento médio, crescimento populacional e desemprego. Explicou que ao comparar os números de admissão e demissão dos últimos 12 meses, o país ainda tem um déficit de 123 mil postos de trabalho e que esta deverá ser a última variável a se recuperar desses anos de crise. “Hoje, saímos do fundo do poço, mas continuamos dentro dele”, diz, lembrando que, de 2013 a 2016 o mundo cresceu 49%, o Brasil cresceu 26%. “Ou seja, estamos ficando para trás e empobrecendo em relação ao mundo”. Afirmou que o Brasil vinha crescendo em um ritmo semelhante ao crescimento mundial, mas que as crises dos anos 2000, 2015 e 2016 acabaram provocando uma defasagem de 7,19% do seu PIB e que, “se o país crescer 1% a mais do que veio crescendo entre os anos de 1996 e 2014 poderá recuperar nos próximos anos poderá recuperar esse espaço perdido nos próximo cinco ou seis anos, dependendo de mudanças em sua burocracia tributária interna”.

antonio3Ao concluir, Antonio da Luz afirmou que os produtores brasileiros realizaram pesados investimentos em tecnologia nos últimos 10 anos, o que elevou o perfil produtivo de competitividade da agricultura nacional para níveis superiores aos mundiais, patamar alcançado especialmente pela ausência de intervenção do Estado no setor. Lembrou que ao longo de 2017, enquanto a produção cresceu em torno de 14%, os preços no mercado interno caíram cerca de 25%, gerando queda no lucro do produtor. Citou como exemplo um pão comprado em uma padaria, onde apenas 14% do produto tem influência do preço do trigo, sendo que os 86% restantes tem relação com despesas de aluguel, energia elétrica e tantos outros fatores. “O produtor brasileiro é submetido diariamente à concorrência de todos os países do mundo. O setor não tem proteção ao comércio e tem exposição diária risco e à concorrência”, concluiu, lembrando que “o Brasil precisa de reformas, em especial a da Previdência e a Tributária”.

dantonO jornalista do Correio do Povo Danton Júnior lembrou que o trabalho do profissional de imprensa que cobre o setor agropecuário tem sido cada vez mais pautado pelo consumo. “Antigamente, a editoria de Rural era mais voltada para o ambiente rural, mesmo. Mas hoje em dia não é mais assim”, complementou, ressaltando que o consumidor atual demanda muita informação, querendo saber informações sobre a origem do seu alimento, questões ambientais, boas práticas de alimentação, entre outras. Lembrou que o campo foi apontado como o grande responsável pelo crescimento do PIB em 2017, com crescimento de 1% que, embora pequeno, ocorreu após dois anos de retração da economia. Disse que a grande preocupação do campo agora não é mais apenas com os preços, mas com a rentabilidade, custos de produção e margem de lucro, “especialmente em culturas como o arroz, leite, milho e trigo, alimentos que estão no dia a dia, na mesa do brasileiro”. Explicou que, em função da baixa rentabilidade, agricultores vêm desistindo de algumas atividades, não se cansando de dizer que “a agricultura vai bem mas o agricultor vai mal”, referindo-se especialmente aos custos da produção que vem reduzindo suas margens de lucro.

danton1Danton Júnior disse, ainda, que o Brasil teve uma inflação em 2017 abaixo do piso da meta, que era de 3 pontos percentuais, e que foi bastante comemorada pelo governo federal, que reconhece como causa a produção agrícola e a excelente safra colhida, que ajudou a reduzir os preços dos alimentos no ano passado. “E como fica essa relação, onde o produtor reclama da rentabilidade e o país comemora a queda dos preços?”, questionou, ressaltando a importância de minimizar esse descompasso.

Estiveram presentes a mais esta edição do Economia em Pauta, o presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo, os conselheiros Aristóteles Galvão e Darcy Francisco Carvalho dos Santos, além dos ex-conselheiros Carlos Alberto Abel e Vladimir da Costa Alves. 

Acesse a apresentação em pdf

“Perspectivas para a economia e o agronegócio brasileiro" é tema do Economia em Pauta, nesta segunda, na Fadergs

 

“Perspectivas para a economia e o agronegócio brasileiro" é o tema da primeira edição do ano do Economia em Pauta, que acontecerá no dia 2 de abril próximo (segunda-feira), às 18h30min, no Auditório da Faculdade de Desenvolvimento do RS (Fadergs), na Rua Riachuelo, 1257, no Centro Histórico de Porto Alegre, numa promoção do Corecon-RS, com o apoio da Fadergs. O palestrante será o Economista do Ano 2017, Economista-Chefe do Sistema Farsul, ANTONIO DA LUZ, com a participação do jornalista do Correio do Povo e um dos vencedores do Prêmio de Reportagem de Economia/2017, DANTON JÚNIOR.

Será fornecido um certificado de 2 horas complementares aos estudantes que participarem do evento.

Entrada gratuita!

Maiores informações pelo fone (51) 3254.2608 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

Sérgio Firpo profere palestra na FCE/UFRGS

 

O professor Sérgio Pinheiro Firpo, do Insper, profere palestra nesta quarta-feira, dia 4, às 19 horas, na sala 31A, da Faculdade de Ciências Econômicas a UFRGS, sobre “Private Education Market, Information on Test Scores and Tuition Practices”.

Sérgio Firpo é professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco no Insper. É pesquisador do CNPq e membro fundador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Educação, Desenvolvimento Econômico e Inserção Social.

Cofecon e Corecon-DF solicitam vagas para economistas em concurso da ANM

O presidente do Cofecon, Wellington Leonardo da Silva, e o presidente do Corecon-DF, Mário Sérgio Fernandez Sallorenzo, enviaram ofício ao ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, solicitando prerrogativas aos economistas em futuros concursos públicos para a Agência Nacional de Mineração.

A ANM foi criada pela Lei nº 13.575/2017, em substituição ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), com as funções de regulação e fiscalização do setor mineral.

No documento, as entidades destacam que o Plano Especial de Cargos do DNPM, por meio da Lei nº 11.046/2004, assegurou a realização de concurso público em nível nacional para os profissionais economistas ocuparem os cargos de Especialista em Recursos Minerais/Desenvolvimento e Economia Mineral e Auditor Externo, para atuarem na área finalística juntamente com Engenheiros de Minas, Químicos e Ambientais, Geólogos, Geógrafos e profissionais de Tecnologia da Informação Mineral, todos devidamente registrados nos conselhos profissionais específicos.

Clique e acesse o Documento

Fazenda Municipal de PoA lança Edital para estágio em Ciências Econômicas

A Coordenação da Comissão de Estágios da Secretaria Municipal da Fazenda de Porto Alegre lançou processo seletivo para adminissão de estagiários para o provimento de vagas para Estágio na área de Ciências Econômicas.  Os candidatos serão selecionados de acordo com as vagas disponíveis, entre os estudantes previamente inscrito no Cadastro de Estágios da Prefeitura de Porto Alegre, através do site http://www2.portoalegre.rs.gov.br/estagios/ .

Presidentes dos Corecons do RS, SC e PR fazem Conferência sobre o Enesul



Os presidentes dos Corecons do Rio Grande do Sul, economista Rogério Tolfo, do Paraná, economista Celso Bernardo, e de Santa Catarina, economista Alexandre Flores, participaram, na manhã da última quarta-feira, dia 28, de conferência on line, para tratar de assuntos relativos à organização da próxima edição do Encontro dos Economistas da Região Sul (Enesul). O vice-presidente do Corecon gaúcho, economista Bruno Breyer Caldas também participou da Conferência.

O Enesul, que é promovido anualmente, em sistema de rodízio, entre os Conselhos de Economia dos três estados do Sul, está programado para acontecer em agosto próximo, na cidade de Porto Alegre.

Abertas inscrições para Prêmio ABDE/BID de artigos 2018

Voltado a todos os segmentos da sociedade, a premiação deste ano irá trabalhar os temas da parceria público-privada, desenvolvimento e cooperativas de crédito


O tradicional Prêmio ABDE-BID de artigos chega a sua 5ª edição realizado pela ABDE (Associação Brasileira de Desenvolvimento) e pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), conta este ano com apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras, e está com inscrições abertas desde o dia 12 de março. Este ano, são esperados artigos acadêmicos sobre os temas: “Desenvolvimento em Debate”, “Parcerias Público-Privadas: Desafios e Soluções” e “Desenvolvimento e cooperativismo de crédito”.

Aberto a todos os segmentos da sociedade, das universidades, a institutos de pesquisa e interessados sem vínculo com instituições, a premiação busca unir diversos setores em prol do desenvolvimento. “Nosso objetivo é que o debate contribua para o aprimoramento do Sistema Nacional de Fomento e das instituições a ele pertencentes. Estamos em um momento sensível do País, então as participações da sociedade por meio de artigos acadêmicos são especialmente importantes”, afirma o presidente da ABDE, Milton Santos.

O primeiro colocado em cada categoria do Prêmio ABDE-BID de Artigos 2018 receberá um certificado, prêmio em dinheiro no valor de R$ 8 mil, publicação na revista Rumos e homenagem em evento organizado pela ABDE. Os segundos colocados serão agraciados com todas as distinções e o prêmio em dinheiro no valor de R$ 4 mil.

A inscrição deve conter artigos inéditos, ou seja, que nunca tenham sido publicados, termo de autorização de uso e declaração de autoria – os modelos dos documentos estão no site www.abde.org.br. Os materiais devem ser enviados para o e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. As inscrições ficam abertas de 12 de março a 22 de junho de 2018.

A ABDE - A Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) reúne as Instituições Financeiras de Desenvolvimento presentes em todo o país – bancos públicos federais, bancos de desenvolvimento controlados por unidades da Federação, bancos cooperativos, bancos públicos comerciais estaduais com carteira de desenvolvimento, agências de fomento –, além da Finep e do Sebrae. Essas instituições compõem o Sistema Nacional de Fomento (SNF). A ABDE define estratégias e executa ações indutoras do SNF, tendo como meta constante o aprimoramento da atuação de seus associados, para que essas instituições financiem com eficiência o desenvolvimento brasileiro. Realiza cursos, produz estudos e representa as instituições em mesas de diálogo com organismos do governo, do setor produtivo e da sociedade.

O BID - O Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Criado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e o Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisas de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região.

SERVIÇO
Edição 2018 do Prêmio ABDE-BID de Artigos
Inscrições: Entre 12/03/2018 e 22/06/2018
Informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Direção do Sindecon/Socecon visita Corecon-RS


O presidente do Corecon-RS, economista Rogério Tolfo, recebeu, na tarde da última quinta-feira, dia 22, visita de institucional do presidente do Sindicato dos Economistas do RS (Sindecon) e da Sociedade de Economia do RS (Socecon), economista Mark Ramos Kuschick.  O encontro aconteceu na sede do Corecon-RS e também contou com a participação dos diretores das entidades visitantes, economistas Dejalme Andreoli, José Joaquim Marchisio e Ricardo Pereira Wiltgen.

Seleção de professores para o PPGE/Unisinos

O Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos está selecionando professores(as) pesquisadores(as) para o seu quadro de docentes permanentes, em regime de 40 horas semanais. As inscrições estão abertas até o dia 23/04/2018.

Para mais informações, por favor, acesse: https://ws.asav.org.br/RM//Rhu-BancoTalentos/#/RM/Rhu-BancoTalentos/painelVagas/detalhesVaga/questionarios?codColigada=1&codSelecao=UNI_PPGEC&codVaga=1

Pagina 4 de 36