slogan

SELO ENEF RGB 01

Seja qual for o seu motivo, faça um mundo com mais Economia.

Private Equity & Venture Capital, a força dos empreendedores

clovis meurer

 

Clovis Benoni Meurer
Economista, Sócio-Diretor da CRP Companhia de Participações, presidente do Corecon-RS
Corecon-RS Nº 1934

 

O que é Private Equity ou Venture Capital?
Private Equity, Venture Capital ou Seed Money é um tipo de atividade financeira realizada por instituições que atuam ou investem em empresas que normalmente não estão abertas no mercado de capitais. O PE&VC vira sócio nas empresas, através de investimento com aporte de recursos, em pequenos negócios na área de tecnologia, de inovação, empreendimentos ligados à internet, cujos produtos e serviços atingem toda a sociedade. No caso da CRP, que atua há mais de 30 anos nos três estados do Sul do Brasil e em São Paulo, também fazemos investimentos em negócios mais diversificados como em empresas do setor metal mecânico, agronegócios, energia, ou, mesmo, em negócios maiores, com o aporte de recursos mais substanciais

Qual o objetivo desse tipo de negócio?
É proporcionar recursos para alavancar as boas ideias. A atuação se dá através de investimento em empreendimentos ou empreendedores, onde o PE&VC se torna sócio, normalmente por três, cinco, oito anos, e depois vende sua participação para outros investidores, outros fundos ou grupo de empresas, nacionais ou mundiais. A atividade é de investir num negócio, apoiá-lo para que cresça, para que atinja sua maturação, agregando mais valor ao longo dos anos, e vende-lo no futuro, com ganho para os investidores.

De que forma são aportados esses recursos?
Os recursos são alocados nas empresas através de participação acionária. A empresa pequena, média ou grande transforma-se em sociedade anônima, constituída com ações, assim como uma empresa negociada em bolsa. Mas é uma empresa fechada, que emite novas ações e o PE&VC subscreve, integraliza essas ações, portanto, injeta recursos no caixa da empresa. Eventualmente, parte desses recursos pode até servir para pagar um sócio que está saindo da sociedade, o que chamamos de cash out, mas normalmente é utilizado para investimentos a serem realizados dentro da empresa, visando seu crescimento. Pode ser para lançamento de novos produtos, abertura de novos mercados, pagamento de campanha de marketing, pesquisas, desenvolvimento de novas tecnologias, enfim, para a expansão de seus negócios. O PE&VC fica sócio, normalmente minoritário, e ajuda o empresário naquelas áreas que tem mais conhecimento, como áreas gerenciais, estratégicas ou financeiras. No caso da CRP, auxiliamos o empreendedor, a família empresária, para que se consiga alcançar um valor maior para o negócio.

Qual o tempo médio de maturação de um projeto desses a partir do momento que o PE&VC se instala?
Não é um prazo curto, principalmente se comparado à compra de ações na bolsa. Alguém pode comprar ações na bolsa e vender em um dia, uma semana, um mês depois, ou até no mesmo dia. No caso do PE&VC, o tempo normalmente é medido pela maturação do projeto. Ou seja, uma empresa tem um plano ou projeto de lançar novos produtos ou conquistar novos mercados o que exige um período de maturação. Esse projeto, esse plano de negócios do empreendimento, mesmo em tecnologias mais avançadas, normalmente leva dois anos a quatro anos para maturar, gerar resultados e, portanto, criar mais valor para a empresa. Em média, os investimentos que nós, da CRP, fazemos, ficamos sócios dos negócios em torno de quatro ou cinco anos, que é um período relativamente longo.

Qual a importância desse tipo de atividade para a empresa e para a economia?
Primeiro, arriscamos, ou investimos, em empreendimentos novos. Novas tecnologias, produtos, serviços, que muitas vezes não existiam antes. Se olharmos para um passado recente, de não mais do que 10 anos, podemos citar vários exemplos de produtos e tecnologias que surgiram: o Iphone, que agora comemora 10 anos de vida, o Uber, ou qualquer outro aplicativo que hoje contratamos para nosso transporte. Tratam-se de produtos, serviços, empresas ou empreendimentos que facilitam nossas vidas e não existiam há alguns anos atrás. Para a empresa, os investimentos iniciais foram fundamentais para seu crescimento e consolidação de novos mercados. Para a economia, o aporte desses recursos para novos empreendimentos, novos produtos, novos serviços, que vem trazer conforto aos usuários, geram emprego, imposto, renda. Isso vale para tecnologia e vale também para empresas tradicionais.

A indústria da PE&VC entra em qualquer tipo de setor?
Praticamente todos os setores da economia são apoiados ou investidos por PE&VC. Industrias, comércio e serviços, como educação e saúde. Setores tradicionais, como alimentos, por exemplo, que a todo momento estão na linha de criação de novos produtos, mais saudáveis como orgânicos, sem glúten, sem lactose. Exemplo, também, é o setor de energia. Até poucos anos se falava apenas em energia gerada pelas hidrelétricas. Hoje, temos a eólica, a solar, enfim, inúmeras formas de geração de energias, que existem por uma evolução tecnológica, limpas, que não impactam negativamente no meio ambiente. Muitos desses negócios crescem, desenvolvem, trazem um bem para a sociedade porque foram investidas por empresas de PE&VC no passado.

Como os estudantes de economia e, mesmo, os profissionais da área, podem se aproximar da indústria do PE&CV?
Através da CRP, temos promovido uma série de treinamentos, coachings, com vários estudantes. Temos que apostar muito nos jovens de hoje. Tentar criar empreendedores, líderes nas mais variadas áreas da economia, da política, etc. Por isso é um dever nosso, e digo como presidente do Corecon-RS, e também como cidadão, de oportunizarmos aos jovens e estudantes alternativas de treinamento, de estudo. Particularmente no mundo financeiro, existem muitas áreas de atuação para economistas e também para outros profissionais. Especificamente, na área de mercado de capitais há muito espaço. Nessa área de PE&VC, que é uma área muito nova no País, uma indústria de mais ou menos 20 anos, existe espaço para estudantes de economia. Também para profissionais recém-formados que devem se preparar porque esse é um campo que vai crescer, a exemplo do que acontece nos EUA e outras economias mais avançadas, onde existem muitas empresas de PE&VC analisando e investindo em novos empreendimentos.