slogan

SELO ENEF

Projetos de viabilidade econômico-financeira

 abel

Carlos Alberto da Rosa Abel
Economista, Consultor de Empresas
Corecon/RS nº 3159

 

Que fatores são levados em conta para a elaboração de projetos de viabilidade econômico-financeira?
São muitas as variáveis envolvidas, cabendo destacar o fluxo de caixa projetado, que abrange a capacidade de pagamento do financiamento, bem como o mercado. É muito importante calcular a necessidade de capital de giro incremental do projeto, para que a empresa não seja surpreendida com incremento de custos e despesas além do previsto.


Esses projetos podem ter expectativa de curto, médio e longo prazo?
Sim, podem. Mas normalmente prevalece a expectativa de longo prazo, uma vez que os projetos de investimento possuem tempo de maturação maior.


Quais as probabilidades de esses projetos atingirem os objetivos no prazo e formato prospectados?
Normalmente trabalhamos com três cenários: pessimista, intermediário e otimista. E isso oferece maior tranquilidade ao empresário no que diz respeito ao possível sucesso do projeto. É importante sempre realizar uma pré-análise, verificando os objetivos do investimento e as metas num estudo simplificado, que tende a oferecer um indicativo preliminar do potencial do negócio.

 

Qual o perfil do cliente que procura esse tipo de projeto?
Pessoas jurídicas de pequeno e médio porte, com receita operacional bruta anual de até R$ 90 milhões. Mas já elaboramos diversos estudos também para grandes empresas.

 

Como está atualmente o mercado para project finance, que são os projetos estruturados acima de R$ 10 milhões?
Atualmente, em função do delicado momento econômico, o mercado apresenta baixo volume de projetos, principalmente nos segmentos da economia mais suscetíveis à crise, como o metal mecânico. Certamente, quando o cenário se mostrar mais favorável, o mercado de projetos voltará a se aquecer.

 

Quais os tipos de exigências mais comuns que uma empresa se depara quando busca financiamento?
Em momentos de crise, os bancos se tornam mais seletivos e focam a análise de projetos em empresas com menor risco e com atuação em determinados segmentos da economia. Mas as questões consideradas numa análise não alteram, como as garantias, que devem ser compatíveis com valor do financiamento solicitado, na proporção mínima de 130%; contrapartida de recursos próprios, cuja proporção depende da linha de crédito demandada; análise de mercado e viabilidade (VPL, tempo de retorno, TIR). Outro aspecto importante são as licenças ambientais, que são exigidas pelos agentes financeiros e cujo prazo de obtenção tornou-se muito elevado.

 

Que tipo de qualificação é exigida do profissional que atua na área de projetos de viabilidade econômica?
O Economista deve ter visão de longo prazo, entender os objetivos do investimento para poder projetar o fluxo de caixa da empresa considerando todas as variáveis envolvidas, como mercado, incremento da produção e vendas, capacidade de pagamento, dentre outras. É muito importante também que o consultor econômico-financeiro tenha conhecimento das linhas de crédito de longo prazo oferecidas pelo Sistema BNDES para buscar as melhores condições de enquadramento nas operações de financiamento.

 

Como está o mercado para atuação de economistas nesse tipo de projeto?
Tendo em vista o desfavorável momento econômico, o mercado se tornou mais competitivo. Porém, situações como essa podem gerar oportunidades. Além de sempre ter empresas investindo, há possibilidade de elaborar estudos de viabilidade para saneamento financeiro. Com os bancos mais exigentes na concessão de crédito, este tipo de trabalho tende a trazer maior discernimento ao agente financeiro no que diz respeito ao andamento dos negócios da empresa.