slogan

logo ie rs 2020 255

A dinâmica das fusões e aquisições no mercado de Planos de Saúde no Brasil


Gregory Moyses Volpato

Bacharel em Ciências Econômicas, 2º Lugar Prêmio Corecon-RS, 2019,
Categoria Dissertações de Mestrado

 

Qual a proposta do trabalho “A dinâmica das Fusões e Aquisições no Mercado Brasileiro de Planos de Saúde”, 2º Lugar do “Prêmio Corecon-RS 2019”, categoria Dissertações de Mestrado?

A proposta do trabalho foi aplicar um modelo baseado em agentes no mercado de operadoras de planos de saúde nacional. O comportamento do mercado ao longo dos últimos 20 anos alertou para mudanças significativas por meio de fusões e aquisições. Dessa forma, com auxílio de meus orientadores, conseguimos unir o anseio por um modelo alternativo aos tradicionais econômicos, a um segmento com muitas oscilações. Logicamente, também visualizamos a possibilidade de aplicação e expansão do modelo a outros mercados.

Como está o mercado de planos de saúde no Brasil?

O mercado de planos de saúde está modificando suas diretrizes, assim como observado nos últimos anos. Um bloco de seis grandes empresas possui grande participação de mercado, e vem atuando em novas aquisições a cada novo período. As fusões também estão ocorrendo devido aos altos custos do setor, fomentados por regulações, levando a uma grande quantidade de empresas saírem do mercado ou decretarem falência. Houve uma redução de quase 50% no número de empresas se computarmos dados de 1999 a 2019, ou seja, em apenas 20 anos.

Qual a importância das fusões no setor da Saúde?

As fusões do setor, do ponto de vista corporativo, são relevantes às estratégias das grandes empresas. A concorrência entre um grande bloco tem sido semeada por fusões e aquisições, e as possibilidades de aumento dos ganhos de mercado proporcionados. Uma das variáveis analisadas, distância, demonstrou que a grande concentração de empresas no Sudeste é oriunda de pequenos processos aquisitivos ao longo dos últimos 20 anos. A redução considerável também é em parte explicada pelas fusões, visto o elevado número de processos aquisitivos do período.

Esse procedimento não estimula a cartelização?

Há dois pontos de vista, na minha opinião, que podemos analisar acerca do cartelização neste mercado. Do ponto de vista da concentração de empresas, penso que sim. Poucas empresas dominam 40% do mercado, e tendem a aumentar, visto que a saída de empresas tem sido constante. Os preços e os atendimentos dos planos estão se afastando da vontade do consumidor, tornando-o figura coadjuvante no mercado. Todavia, podemos analisar um segundo ponto. O mercado apresentou resultados deficitários e com um alto custo de manutenção para as empresas. Desta maneira, muitas empresas continuam a falir e sair do mercado. Neste ponto específico, as fusões atenuam os impactos devido ao fato de a empresa adquirente ser obrigada a manter os planos e conceder abrigo aos beneficiários então descobertos. Logicamente, não é um ponto ideal, porém, minimiza o impacto imediato sobre os beneficiários dos planos.

Qual a relação desse tipo de procedimento com o endividamento dos Estados e União?

Primeiramente, os altos custos dos planos consequentes da concentração do mercado inibem novos beneficiários. Além disso, beneficiários com pouca renda tendem a cancelar seus planos. O impacto imediato é o aumento de pessoas dependentes da saúde pública, tornando o processo ainda mais oneroso ao governo. Um dos pontos de maior atuação da Agência Nacional da Saúde está exatamente sobre a transferência de beneficiários e o auxílio, de certa forma, na liquidação e falência das empresas. O governo não tem conseguido reduzir a quantidade de fusões no mercado e tem concentrado seus esforços na minimização do peso.

Quais as principais conclusões do teu estudo?

As principais conclusões foram acerca das mudanças significativas que os mercados podem sofrer em períodos relativamente curtos. Do ponto de vista das saídas das empresas de um mercado, as fusões podem ser analisadas como uma alternativa à falência, visto que no processo aquisitivo, a empresa se compromete a continuar o atendimento da carteira de beneficiários dos planos. Alguns comportamentos das empresas também se destacaram, como, por exemplo, a observação do faturamento e da distância como pontos criteriosos na tomada de decisão. As empresas claramente buscaram adquirir outras empresas com localização e faturamento semelhantes as suas. Por fim, do ponto de vista da pesquisa econômica, estendermos a análise a modelos não tão conservadores, que podem enriquecer a literatura existente, expandindo os limites da economia. A utilização de métodos, como o modelo baseado em agentes com ênfase em autômatos celulares, pode ser expandida a outros mercados, e alternativamente, a outros comportamentos empresariais, além de fusões e aquisições.