slogan

SELO ENEF

A estrutura dos Arranjos Produtivos no estado

 

fernanda sperotto

 

Fernanda Queiroz Sperotto
Economista, pesquisadora da FEE
Corecon/RS Nº 6857

 

O que é um Arranjo Produtivo Local (APL)?
Um APL caracteriza-se pela concentração territorial de empresas de um mesmo setor produtivo e/ou de setores complementares, na qual são perceptíveis, em maior ou menor grau, laços de articulação, cooperação, interação e aprendizagem entre os diversos atores locais (empresas, associações, poder público, escolas técnicas e profissionalizantes, universidades, instituições financeiras, dentre outros).

Quantos APLs estão identificados no Brasil?
Segundo o Observatório Brasileiro de APLs, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), existem no País 790 aglomerações. Entre os estados, os destaques são 82 APLs em Goiás, 73 em São Paulo e 65 em Minas Gerais. O Rio Grande do Sul e o Paraná, nessa classificação, encontram-se na 6ª posição, com 34 APLs cada um, enquanto que Santa Catariana, com 25 APLs, está na 9ª posição. É válido lembrar que essas posições são ilustrativas. Quaisquer comparações, entre estados ou APLs, necessitam de análises mais minuciosas, que vão muito além da contagem de arranjos.

De que forma estão estruturadas as aglomerações existentes no RS?
Dos 32 APLs existentes no Rio Grande do Sul, 27 deles são enquadrados, ou seja, já fazem parte do Projeto APL conduzido pela Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), e cinco são reconhecidos, que dizer, solicitaram seu reconhecimento à Entidade, mais precisamente, ao Núcleo de Ações Transversais (NEAT) –, porém, ainda não integram o Projeto APLs. É importante destacar que tanto o enquadramento como o reconhecimento pressupõem a apresentação de documentos que comprovem a existência de vínculos de cooperação (empresas e/ou produtores), de ações coletivas realizadas e de uma governança local.

Quais são os APLs considerados enquadrados e quais são os reconhecidos?
Os APLs enquadrados são o da Agroindústria Familiar, do Corede Celeiro; Agroindústria Familiar, da Região das Missões; Agroindústria Familiar e Diversidade, do Médio Alto Uruguai e do Rio da Várzea; Agroindústria Familiar e Alimentos, do Vale do Rio Pardo; Agroindústria Familiar, do Vale do Taquari; Alimentos, da Região Sul; Audiovisual; Complexo Industrial da Saúde; Eletroeletrônico de Automação e Controle; Máquinas e Equipamentos Industriais; Metalmecânico, da Região Central; Metalmecânico e Automotivo, da Serra Gaúcha; Metalmecânico Pós-colheita; Moveleiro, da Serra Gaúcha; Pedras, Gemas e Joias; Polo de Moda da Serra Gaúcha; Polo Naval e de Energia de Rio Grande e Entorno; Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central; Tecnologia da Informação da Serra Gaúcha; Leite do Corede Fronteira Noroeste; Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Norte; Apicultura do Vale do Jaguari; Polo de Defesa de Santa Maria; Polo de Moda do Norte Gaúcho; Vitivinícola da Serra Gaúcha; Ovinos e Turismo, do Alto Camaquã; e o Pré-Colheita, do Alto Jacuí e Produção. Os APLs reconhecidos são o Setor Têxtil e do Vestuário, da Região do Alto Uruguai Gaúcho; Polo Naval, do Jacuí; Agroindústria Familiar, do Litoral; Móveis, de Torres; e Leite, de Santana do Livramento.

Que setores da economia estão beneficiados pelos APLs do RS?
A princípio, todos os setores são potenciais proponentes. No Rio Grande do Sul, o setor industrial é o que possui mais aglomerações. As atividades são bem diversificadas. Temos APLs de agroindústria familiar, de segmentos mais tradicionais da nossa economia, como o metalmecânico, automotivo, máquinas e equipamentos agrícolas, móveis, leite, vinhos, etc, e, também, de outros mais tecnológicos, como o Complexo Industrial da Saúde, Eletroeletrônico de Automação e Controle, Tecnologia da Informação e Comunicação e Polo de Defesa.

Em que regiões do estado têm se concentrado as principais aglomerações?
Ainda que estejam espalhadas pelo estado, verifica-se uma maior concentração dessas aglomerações no eixo Porto Alegre-Caxias do Sul, e, especialmente, no Corede Serra. Dos 27 APLs enquadrados, oito reconhecidos contemplam pelo menos um dos municípios do Corede da Serra.

Qual a tendência desses APLs?
Esta é uma pergunta difícil de responder, pois o surgimento e o amadurecimento de uma aglomeração produtiva dependem de vários aspectos, tanto de natureza local (elementos histórico-culturais) como de natureza externa (políticas governamentais de incentivo). O Estado, desde 1999, vem, em maior ou menor grau, incentivando e executando ações de estímulo aos APLs. Como exemplo, cabe lembrar o Programa de Apoio aos Sistemas Locais de Produção e o Projeto APLs. Desde então, observa-se que vem aumentando o número dessas aglomerações. Porém, embora haja APLs consagrados, como o Moveleiro da Serra, e muitos em desenvolvimento – como os APLs Complexo Industrial da Saúde, Pré-colheita Alto Jacuí e Produção (máquinas e equipamentos agrícolas) e o APL Pedras, Gemas e Joias –, é importante ressaltar que algumas aglomerações ainda se encontram em estágios incipientes.