slogan

SELO ENEF

Thirlwall e a natureza do crescimento econômico


eduarda1

 

Eduarda Martins Correa da Silveira
Economista
Corecon/RS nº 7310

 

Qual é o argumento central do modelo Thirlwall, concebido pelo professor Anthony Philip Thirlwall?
Thirlwall argumenta que as taxas de crescimento dos países diferem porque o crescimento da demanda não é igual entre os países. Para o autor, o balanço de pagamentos é uma restrição ao crescimento econômico e a razão entre a elasticidade-renda da demanda por exportações e a elasticidade-renda da demanda por importações é uma boa aproximação de grande parte do crescimento econômico de longo prazo dos países. Thirlwall utilizou dados da balança comercial da amostra estudada, chegando a resultados satisfatórios. A proposta do modelo de Thirlwall é a de que um país não pode crescer mais rápido do que a restrição imposta pelo seu balanço de pagamentos, a não ser que possa se financiar indefinidamente, o que é uma hipótese pouco provável, principalmente para as economias em desenvolvimento.

Por que esse modelo se aplica à economia brasileira?
O enfoque dado por Thirlwall está do lado da demanda. E a lógica desse modelo de crescimento passa pelo ajuste estrutural do balanço de pagamentos. Ou seja, para que um país obtenha taxas de crescimento mais elevadas, é importante alterações nas elasticidades-renda da demanda das exportações e das importações. Logo, uma mudança nas bases competitivas dos setores produtivos é fundamental para que o balanço de pagamentos não restrinja o crescimento de longo prazo. Observando o período posterior ao ano de 1995, por exemplo, percebe-se que a economia brasileira vem apresentando taxas de crescimento irregulares. Momentos históricos relevantes podem subsidiar a explicação desse fato, como pós-Plano Real, crise no balanço de pagamentos brasileira no ano de 1999 e alteração no regime cambial, elevação no preço internacional das commodities, principalmente a partir de 2002, além de períodos de volatilidade da liquidez internacional. Convém destacar, também, o período de elevadas taxas de crescimento do PIB brasileiro, a partir do ano de 2004, interrompido no ano de 2009 e retomado no primeiro trimestre do ano de 2010, cuja taxa de crescimento foi de 7,6% ao ano. Porém, desde então, a economia brasileira tem apresentado taxas de crescimento mais modestas, parecendo voltar ao regime de taxa de crescimento próximo ao dos anos de 1990. Tais momentos históricos envolveram modificações nas contas que compõem o balanço de pagamentos e, dessa forma, estudar o comportamento da taxa de crescimento da economia brasileira utilizando o arcabouço teórico de Thirlwall pode ajudar a esclarecer as taxas de crescimento irregular.

Nos últimos anos o Brasil deixou de exportar manufaturados, intensivos (ou não) em tecnologia, especializando-se em exportar commodities agrícolas e minerais. Como essa dinâmica recente das exportações brasileiras corrobora para o modelo de crescimento econômico com restrição externa?
Com a entrada da China na OMC, no ano de 2001, houve alteração no perfil da demanda por commodities. Principalmente a partir de 2006 observa-se uma alteração na pauta de exportações brasileiras, com elevação da participação de produtos classificados como básicos em detrimento daqueles classificados como manufaturados. No final de 2009, as exportações desse tipo de bem “ultrapassam” a exportação dos bens manufaturados, ampliando a importância desses produtos na pauta. É importante destacar, também, a elevação do índice de preços das commodities. A “commoditização” da pauta exportadora brasileira aprofundou o problema de restrição de externa. Ou seja, quando se estima a função demanda por exportações para um período mais recente, a partir de 2001, nota-se que as exportações brasileiras ficaram menos sensíveis à renda mundial. Logo, é oportuno o debate sobre a reprimarização e sobre a possível influência da composição da pauta exportadora brasileira na taxa de crescimento econômico. Observa-se, nesse caso, uma aproximação com a abordagem estruturalista.  

Por que, ao longo de 2015, o volume de exportações, a despeito do overshooting cambial, tem crescido menos do que cresceu em 2014, considerando o período acumulado até novembro?
Uma possível explicação é que as exportações brasileiras tenham ficado, ao longo do tempo, mais sensíveis ao índice de preços das commodities do que a taxa de câmbio real. Embora, considerando o período 2014-2015, acumulado até novembro, tenha ocorrido redução nas exportações para todos os tipos de bens, os bens básicos ainda representam,   no ano de 2015, aproximadamente 46% das exportações brasileira, contra pouco mais de 37% dos produtos classificados como manufaturados.