Campanha de Valorizacao do economista

Economia da Oralidade


Jorge Cury Neto

Economista, Jornalista, professor,
autor do livro Economia da Oralidade

Corecon-PR 

 

Sobre o que trata a economia da oralidade?

A Economia da Oralidade é uma área do conhecimento dedicada ao estu­do da Economia aplicada ao uso econômico da Oralidade e as suas implicações sociais, políticas, culturais, tecnológicas e educacionais. Trata-se de uma área que tem a finalidade de propor, projetar, implementar, gerenciar e administrar a atividade de produção da oralidade e as suas implicações sistemáticas no processo de negociação, de comercialização e de troca de bens e serviços tangíveis e intangíveis.

Qual a importância da economia da oralidade para os profissionais da Economia e de outras áreas do mercado profissional?

Independente da área em que o profissional atua, desde aquelas que utilizam mais intensamente a fala como instrumento básico para o exercício da sua atividade, como aquelas que fazem pouco uso da palavra falada, tem igualmente o mesmo grau de necessidade. Desde o um professor em sala de aula, ou um contabilista, não podem presidir, se não quantitativa, mas qualitativamente, da sua voz para fins de uso profissional.

Para que público são destinadas as oficinas de Introdução à Economia da Oralidade que o senhor vêm produzindo?

Para todos os profissionais interessados em conquistar uma competência comunicativa geradora de riqueza, seja tangível ou intangível, e, em especial, para os economistas, por se trata de uma área econômica, podendo se tornarem economistas da oralidade.

Onde está inserido, dentro da economia da oralidade, o processo de voice design?

O Voice Design é o nome dado a área de desenvolvimento humano da Economia da Oralidade, onde todo o processo prático e de ensino é contemplado. O processo de aprendizagem e capacitação humana se dá pelas diversas etapa componentes do Voice Design.

Qual a importância do True News, especialmente numa época em que o mundo digital está tomado pelas fake news?

Trata-se de um antídoto contra a FAKE NEWS, que prescreve os procedimentos de apuração de notícias, adequada para o leigo que compreende motivar o indivíduo a buscar conhecimento, adquirir habilidade e ter atitude reflexiva diante da notícia consumida, seja, num primeiro momento, considerada falsa ou verdadeira. A proposta é que disciplinadamente aprenda a guardar uns instantes de silêncio, a fazer uma pausa estratégica para absorver adequadamente o impacto da notícia. Deste modo, evita-se uma reação impulsiva, levando o indivíduo a ter a devida cautela para propagar precipitadamente determinado fato, ou informação, que poderá lhe causar diversos danos, de diversos graus de intensidade, que podem ser irreparáveis, inclusive a terceiros. Com esta atitude comunicativa adquirida, o indivíduo está apto para checar a verdade, a realidade, com sinceridade e autenticidade as informações, os fatos que está tomando conhecimento, ao invés de reagir de modo precipitado diante de uma manifestação de fake News, o que, invariavelmente, gera algum nível de contrariedade, indignação, e, muitas vezes, sentimento de raiva, mesmo que inconscientemente, levando o indivíduo a tornar-se um disseminador de maledicência. Ao invés de agir, apenas reage.